Chegando em Montevidéu

Sair de Guarulhos e chegar no aeroporto de Montevidéu, o aeroporto internacional de Carraco, é engraçado. Você sai de uma enormidade e chega numa coisinha fofa e aconchegante. Miúdo. Antes de pousar, lá de cima, a primeira impressão: Montevidéu é uma cidade baixinha. E é mesmo – e isso é tão gostoso. Quanto aos procedimentos de chegada foi tranquilo pegar mala e “entrar no país”: é só mostrar o documento na imigração e depois passar a mala no raio-X. Todas as malas passam, tudo feito de forma ágil e simpática.

Como ir para o hotel? inicialmente cotamos táxi (1ooo pesos), depois van (50 reais por pessoa) e uber (uns 700 pesos). Balançamos pelo Uber mas o moço da van estava querendo completar o carro pra viagem e acabamos pagando 100 reais por três pessoas. O traslado foi tranquilo, quase todo feito apreciando as ramblas que, provavelmente por ser o meio da manhã de um domingo estavam bem ocupadas com todo tipo de atividade, desde gente fazendo exercícios até aqueles se espreguiçando e lendo jornal na sombra.

O nosso hotel (Hotel Orpheo Express) é bem pertinho da Praça da Independência, no Centro, bem limpo, camas confortáveis, elevador, tudo ok. O quarto não é muito grande nem tem frigobar, mas não estava nos planos ficar muito tempo dentro dele mesmo.

Então, bater perna: Praça da Independência e todos os prédios famosos, Palácio Salvo, Torre Ejecutiva, Palacio Estevez e, claro, Puerta de la Ciudadela. Lindão. Depois seguir pela peatonal Sarandi. Passeio agradabilíssimo, passamos por praças arborizadas (como a Praça da Constituição, onde fica não só a Catedral mas também el Cabildo).

Após vermos várias lindezas e tentarmos retratá-las, sem muito sucesso, em fotos, chegamos ao Mercado del Puerto, onde planejamos almoçar. Li que o El Palenque é meio pega turista, mas não foi o que rolou enquanto estávamos lá. Observamos que vários clientes pareciam íntimos e regulares, inclusive pedindo pratos que nem estavam no cardápio (que nos deixaram salivando, inclusive). No que se refere à quantidade e qualidade, foi delícia: pedimos 2 pratos e comemos 3 com alegria e fartura. Não foi barato, mas era a primeira refeição na viagem, meio chutamos a tampa. No cãmbio do dia, com o desconto de pagar no cartão de crédito, ficou uns 55 reais por pessoa.

IMG_20171105_142905447

IMG_20171106_143230901
cardápio
IMG_20171106_143227336
cardápio
IMG_20171105_152101690
conta para três pessoas

Voltamos meio rolando, verdade. A carne era deliciosa. Continuamos a pangolar e passamos pelo Museu do Carnaval (sem visitar) e depois seguimos pela Calle Rincon. Mais praças, mais fachadas de museus listados para visitas futuras. Um importante ponto turístico foi acessado, neste momento: cerveja Patrícia. É uma Pilsen bem gostosinha.

Voltamos ao hotel, banho e tal e coisa, corremos para pegar o pôr do sol no letreiro com o nome Montevideo. O sol foi mais rápido que a gente, ficamos só com a fotinha do treco iluminado. É brega? É. E adorável.

IMG_1271

Por fim, exaustos (contei que a viagem começou às 16hs de um dia e chegamos ao hotel 10hs do dia seguinte, tendo passado a noite inteira nas cadeiras duras do aeroporto de SP?) fomos ao Punta carreta Shopping. Comemos panchos e chivitos e talz. Eu juro que fotografei a conta, mas quede que encontro? Mesmo no shopping foi comida pra caramba.

WhatsApp Image 2017-11-05 at 22.48.01

o que comer em Montevidéu #preço El Palenque #menu #cardápio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s